Art&Jazz dia 2 - baixa-410.jpg

inscreva-se no canal da jazz mansion no youtube

Em 1919, um serial killer obrigou toda população de New Orleans a ouvir Jazz

Conhecido como “o homem do machado”, o criminoso que alegava já ter matado oito pessoas naquele momento mandou um recado que foi publicado no New Orleans Times-Picayune, fazendo com que a cidade inteira fosse tomada pelo Jazz em uma terça à feira à noite


Foto via Songfacts

O ano era 1919 e a cidade de Nova Orleans era ameaçada por um serial killer em uma das situações criminosas mais bizarras já vistas.


Conhecido como “o homem do machado”, o criminoso que alegava já ter matado oito pessoas naquele momento mandou um recado que foi publicado no New Orleans Times-Picayune, fazendo com que a cidade inteira fosse tomada pelo Jazz em uma terça à feira à noite. Na edição de 14 de Março de 1919, a carta do criminoso dizia:


"Às 00h15 (horário da terra) da próxima terça-feira à noite, eu vou passar por Nova Orleans. Em minha infinita misericórdia, eu vou fazer uma pequena proposta a vocês. Aqui está: eu sou muito fã do Jazz, e eu juro por todos os demônios nas regiões profundas que todas as pessoas serão poupadas nas casas em que uma banda de Jazz esteja a todo vapor no momento que eu acabei de mencionar. Se todo mundo tiver uma banda de Jazz tocando, bom, então, que bom para todos vocês. Uma coisa é certa e isso é que algumas das pessoas de vocês que não fizerem o Jazz na terça-feira à noite (se houver alguma) irão receber o machado."

Para a surpresa de ninguém, a cidade prontamente respondeu e o dia 19 de Março de 1919 ficou marcado como o dia em que Nova Orleans foi tomada completamente pelo Jazz. Ao chegar no local, certamente o assassino ouviu o ritmo contagiante e cumpriu com sua promessa.


Tanto é verdade que, mais tarde naquele ano, ele chegou a atacar novamente com o mesmo modus operandi: invadindo casas e matando os habitantes com um machado. Infelizmente, o “homem do machado” nunca foi pego pela polícia, mas eventualmente parou de cometer crimes.


Talvez tenha passado o resto da vida ouvindo Jazz…


Créditos: Tenho Mais Discos que Amigos

35 visualizações0 comentário