30 de abril

dia internacional do jazz

O que já se sabe do filme sobre Billie Holiday

A produção sai do cinema para estrear em streaming ainda nesse bimestre


Foto: Divulgação/Paramount/Pipoca Moderna

A cinebiografia de Billie Holiday, filmada por Lee Daniels, não vai mais marcar a volta do criador de "Empire" ao cinema, oito anos após seu último filme, "O Mordomo da Casa Branca" (2013). O longa "The United States Vs. Billie Holiday" foi negociado pela Paramount com a plataforma Hulu.


O filme se concentra no período em que a lendária artista de blues e jazz foi alvo de uma operação secreta de agentes federais com o objetivo de proibi-la de cantar sua polêmica música de 1939, "Strange Fruit", um protesto contra os linchamentos de negros americanos.



O longa foi co-escrito por Daniels e Suzan-Lori Parks, primeira mulher afro-americana a receber um Prêmio Pulitzer (por sua peça "Topdog / Underdog") e responsável pela 3ª temporada de "Genius" (sobre a vida da cantora Aretha Franklin).


O elenco destaca a cantora Andra Day ("Marshall: Igualdade e Justiça") no papel principal e também conta com Trevante Rhodes ("Moonlight"), Garrett Hedlund ("On the Road"), Natasha Lyonne ("Orange Is the New Black"), Rob Morgan ("Stranger Things"), Da'Vine Joy Randolph ("Meu Nome É Dolemite"), Evan Ross ("Star") e Tyler James Williams ("Todo Mundo Odeia o Cris").


Billie Holiday em1957 | Foto: Getty/Michael Ochs Archives

"The United States Vs. Billie Holiday" é, na verdade, o segundo filme sobre a vida de Billie Holiday, que já foi interpretada por Diana Ross em 1972, no drama "O Ocaso de uma Estrela" (Lady Sings the Blues), que recebeu cinco indicações ao Oscar, incluindo na categoria de Melhor Atriz.


A expectativa é de uma estreia em streaming em fevereiro, a tempo de integrar a qualificação para o Oscar 2021. Devido à pandemia de coronavírus, os períodos de elegibilidade para longas-metragens concorrerem ao Oscar deste ano foram excepcionalmente estendidos para estreias até 28 de fevereiro.


O filme conta ainda fotografias e vídeos de arquivo restaurados e recém-coloridos, que serão combinados com cerca de 200 horas de entrevistas inéditas. Marina Amaral, que é brasileira, é a artista de colorização por traz dessas restaurações históricas de Billie.


Créditos: Pipoca Moderna

676 visualizações0 comentário